Āsana: o que conseguimos fazer X o que necessitamos fazer

 

Diário de viagem

 

Chennai, Índia, maio de 2007.

 

Terminada a aula sobre filosofia, Sangita, minha professora, pergunta sobre meu interesse em participar de sua aula de Āsana que iria acontecer no dia seguinte em uma escola. No convite anterior, na escola para crianças com diferentes necessidades especiais, refleti bastante sobre como minha professora conduzia a aula e adaptava as posturas para suprir as necessidades daqueles alunos.

 

Como antes, mesmo sem saber que tipo de escola iriamos, aceitei com entusiasmo. No dia seguinte um mistério até chegarmos ao portão da escola de dança clássica Indiana. Embaixo de uma figueira centenária encontravam-se cerca de 20 moças entre 16 e 18 anos se preparando para a aula.

 

Imaginei que faríamos uma aula dinâmica e ativa, com pulos e posturas avançadas, afinal, todas pareciam leves e flexíveis. Engano meu, a aula foi lenta e passiva. 

 

Na volta, quando Sangita me perguntou o que tinha achado, disse não compreender o foco da prática. Sua explicação foi muito simples: “Elas ensaiam coreografias quase oito horas por dia. Essas coreografias forçam muito os joelhos e calcanhares, e deixa os braços, ombros e cervical muito rígidos. Você já esteve em uma apresentação de dança clássica indiana?”

 

Enquanto eu puxava da memória ela me lembrava sobre os movimentos excessivos com os braços e os constantes pontapés fortes dados no chão. “esta arte é lindíssima, mas pode danificar o corpo. Muitas pessoas, mesmo sendo jovens, já sentem dores nessas regiões e ficam cansadas pela rotina de ensaios”. Para finalizar “não é o que elas podem fazer, Diego, mas o que devem fazer. Elas conseguem realizar Āsanas extravagantes, mas será que precisam?”. Concordei. 

 

Pensei na prática com esta nova perspectiva e tudo fez sentido. As posturas e movimentos para relaxar ombros, relaxamento das pernas...Penso muito nisso. Na verdade penso todos os dias. Será que precisamos fazer tudo que conseguimos só por que conseguimos?

 

 

© ® Diego Koury -Todos os direitos reservados. | © Foto background - Emmanuelle Bernard. | Design do site - Claudia Anelli